quinta-feira, 28 de julho de 2011

Fabrício Carpinejar- SEXO e sexo


SEXO e sexo

Sexo é tudo para o homem, na primeira colocação do ranking, seguido de futebol e carro. O quarto e o quinto lugares ainda estão vagos.

Sexo não é tudo para a mulher, situado no quinto lugar da lista, depois de casamento, amor, romance e paixão.

Sexo é envolvimento para o homem. É capaz de morar com uma mulher que faz sexo maravilhoso. Ele se apaixona pelo corpo para se apaixonar pela alma. Não desgrudará daquela que transa na primeira noite, as demais madrugadas são para confirmar que a estreia não foi uma alucinação. Admira quem é liberta de preconceitos, safada, exigente de posições fora do convencional. A possibilidade de experimentar uma vida extraordinária na cama arrebata sua confiança. O macho partilha de três fantasias: converter uma lésbica, tirar uma prostituta da profissão e casar com uma ninfomaníaca.

Para a mulher, envolvimento depende de forte retranca: segurar a primeira noite. Pode ter sexo na primeira manhã ou na primeira tarde. Mas primeira noite, não. Não pode aparentar facilidade, senão ele dispensará o esforço da conquista e não lhe dará valor.

Sua metodologia é retardar o grande momento até que ele se renda ao compromisso sério. Três dias de encontros sem nada é o ideal. Caso completar uma semana, é matrimônio na certa. Talvez até o candidato ficar alucinado de tesão a ponto de não diferenciar o que é real do que é imaginário. Existe um momento em que o parceiro, embriagado pelo próprio desejo, diz sim para qualquer pergunta. A fêmea acalenta três sonhos eróticos: que ele não ronque, não durma no sofá e não palite os dentes. Caso a trinca de modos aconteça, ela abrirá mão da fantasia com o dentista, o psiquiatra e o pediatra do filho.

O homem nunca reclama do casamento ao transar sete vezes por semana. Chia diante de uma média menor. A mulher reclama do marido se ele pensa em sexo o tempo todo.

O homem é o único mamífero que conta há quantos dias está sem transar. Pode perguntar agora ao seu parceiro: não duvido que não mencione as horas e os minutos. Ficar sem sexo é como uma prisão perpétua masculina. Uma contagem de confinamento. Logo depois que ele trepa, inicia de novo seu cronômetro. É um Sísifo dos travesseiros.

Mulher apenas contabiliza os dias de abstinência quando completa três meses. O trimestre é um sinal preocupante, a ameaça de encalhe. Falta de sexo é como gestação para a ala feminina, surge com uma pequena barriga.


* * *


Para o homem, o amor é prêmio de bom sexo.

Para a mulher, o sexo é brinde de amor verdadeiro.

Os dois estão sempre certos.

4 comentários:

  1. KKKK muito bom! Me fez lembrar da musica Amor E Sexo (Rita Lee) ...
    " Amor é para sempre
    Sexo também
    Sexo é do bom
    Amor é do bem..."

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Super interessante o texto. Fez-me reportar ao livro "Homens são de Marte. Mulheres de Vênus", que mostra os diferentes pontos de vista da alma feminina e masculina. Realmente, existem diferenças entre o homem e a mulher referente ao sexo essas são notórias e essenciais para o equlíbrio de uma relação, pois o sexo além de ser algo carnal (na visão do homem) é essencialmente alma (na visão da mulher)... achei o máximo a passagem do texto a qual diz que o homem apaixona-se pelo corpo para depois apaixonar-se pela alma. E, com a mulher, para mim, é exatamente o contrário... a mulher apaixona-se pela alma e depois pelo corpo... para o homem a sedução existe com um jantar romântico, um bom vinho, uma calcinha e sutiã mais atrevidos... já para as mulheres a sedução existe na inteligência do homem, no bom papo, no cavalherismo, na educação... mas no fundo o objetivo de ambos é a sedução, a conquista, o sexo... e como foi dito ambos estão certos... a objetividade do homem e o romantismo da mulher promovem o real e necessário equilíbrio da relação seja essa mais fugaz ou duradoura...

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Paulinha, o blog ta muito bom!!!

    ResponderExcluir